A preocupação com a saúde e o bem-estar tem aumentado consideravelmente nos últimos anos. Um dos assuntos que têm sido muito discutidos é a intolerância ao glúten. Apesar de ser menos grave do que a doença celíaca, ela também provoca reações indesejadas no organismo e precisa de atenção especial.

Neste post nós explicaremos o que é a intolerância ao glúten, quais são os principais sintomas, quais são os exames mais indicados para o diagnóstico correto da doença, como é feito o tratamento e quais são as principais diferenças entre ela e a doença celíaca. Acompanhe até o final e boa leitura!

A intolerância ao glúten

O glúten é uma combinação de dois grupos de proteína, a gliadina e a glutenina — estas são encontradas em alguns cereais como o trigo, o centeio e a cevada. A intolerância ao glúten é uma reação negativa do corpo à ingestão dessas substâncias.

Quem tem esse problema têm dificuldades em absorver o glúten no processo de digestão. Além disso, a substância provoca uma série de reações adversas no intestino delgado, que desencadeiam sintomas variados — conforme nós mostraremos a seguir.

Principais sintomas

A lista de sintomas causados pela intolerância ao glúten é bastante extensa. Os principais estão diretamente relacionados ao processo digestivo e ao trato intestinal. Embora não sejam graves, eles provocam um grande desconforto e podem afetar a qualidade de vida do indivíduo. São eles:

  • dores abdominais intensas;

  • diarreia ou prisão de ventre;

  • inchaço abdominal;

  • síndrome do intestino irritável;

  • gases.

Diagnóstico

O diagnóstico dessa condição deve ser feito por meio de exames laboratoriais. São feitos exames de 3 tipos: de sensibilidade alimentar (exame de alergia), genético e imunológico. Os exames indicados são: anticorpo anti-endomísio, transglutaminase tecidual, gliadina e o estudo molecular de DQ2 e DQ8.

Eles são feitos por meio de coleta de fezes, urina, sangue (exames sorológicos) e biópsia intestinal e devem ser realizados em conjunto para garantir um diagnóstico correto. A finalidade desses exames é descartar ou confirmar a intolerância ao glúten, a alergia ao trigo ou a doença celíaca para dar início ao tratamento mais adequado.

Tratamento

Identificada a intolerância ao glúten, o tratamento consiste na exclusão dessa proteína da dieta. Ou seja, basta parar de ingerir o glúten para que os sintomas desapareçam. Se, por um lado, o tratamento é simples por não envolver o uso de medicamentos, por outro é bastante trabalhoso por encontrarmos a proteína em diversos alimentos da rotina de alimentação da maioria da população.

No entanto, atualmente, o mercado está atento ao aumento dos diagnósticos de intolerância ao glúten e de doença celíaca. Por isso, agora é possível encontrar diversos produtos desenvolvidos para esse público nas gôndolas dos supermercados. Além disso, a farinha de trigo, que é a principal vilã dessa história, pode ser substituída pela farinha de arroz, de milho ou de mandioca e por diversos tipos de féculas e amidos.

Doença celíaca

A doença celíaca é muito confundida com a intolerância ao glúten e à alergia ao trigo, que são coisas bem diferentes. A alergia ao trigo é uma doença que provoca reações imediatas à ingestão desse alimento e é mais fácil de ser identificada.

Já a doença celíaca se assemelha à intolerância ao glúten, pois elas são reações ao mesmo componente — contudo, a doença celíaca é mais grave. O celíaco desenvolve reações imunológicas, gerando processos inflamatórios no organismo.

Além dos sintomas da intolerância, a doença celíaca pode apresentar:

Como vimos, a intolerância ao glúten pode causar bastante desconforto e mal-estar. Mesmo que seja menos grave que a doença celíaca, é preciso fazer os exames para ter um diagnóstico conclusivo. Só assim você pode assegurar uma vida melhor e mais saudável.

Se você gostou deste post, compartilhe-o em suas redes sociais e ajude seus amigos a entender mais sobre esse assunto!

 

Post Relacionados

Deixar comentário.

Share This