De forma bem simples, o conceito de espermograma é o exame que analisa a viabilidade do espermatozóide produzido. Sabemos que para a reprodução acontecer, é necessário que um espermatozóide fertilize um óvulo, ponto! Mas será que é simples assim? A resposta é não! Diversos fatores podem implicar na falha deste processo, que estão relacionados tanto ao homem quanto a mulher. Nosso objetivo nessa postagem é discorrer um pouquinho sobre alguns fatores relacionados ao homem que impactam na reprodução e também, mostrar como funciona o espermograma. Boa leitura!

Nem todo espermatozoide é capaz de fertilizar um óvulo

Para ser um espermatozóide viável, este deve apresentar características específicas, como:

  • Formato adequado
  • Movimento direcionado
  • Vitalidade

Estas características estão intimamente ligadas com o sucesso da fertilização. E é aí que o espermograma entra!

O espermograma é um exame de apoio que vai indicar a dificuldade do homem, junto com a sua esposa, de atingirem a gravidez. Nele são avaliados características do sêmen que serão listadas e descritas a seguir.

Características Macroscópicas: Avaliação inicial do espermograma

Volume: Deve variar entre 1,5 a 5 ml. Volumes altos são indicativos de algum tipo de infecção. Já volumes abaixo de 1,5 ml estão relacionados com deficiência hormonal, alterações no ducto ejaculatório ou vesícula seminal, ou perda de parte da amostra durante a coleta.

pH: O sêmen é um fluído alcalino, ou seja,  apresenta um pH maior que 7,2. Valores diminuídos estão relacionados com alterações nas glândulas acessórias e nas vias seminais.

Cor: A coloração característica de um sêmen normal é branco opalescente. Amostras esverdeadas, rosadas ou acastanhadas podem ser indicativas de infecções, presença de células sanguíneas ou uso de determinados medicamentos. Já amostras transparentes podem ocorrer quando há uma baixa contagem de espermatozoide.

Viscosidade: É a medida da fluidez do sêmen. Seu aumento interfere na avaliação da motilidade e concentração de espermatozoides.

Consistência: O sêmen possui uma consistência homogênea. Amostras heterogêneas também são consideradas normais, caracterizadas pela presença de grânulos gelatinosos, que não possuem representatividade clínica e não interferem na análise da amostra.

Análise Microscópica: Avaliação das características dos espermatozoides

Motilidade: A motilidade é um parâmetro importante para designar a capacidade que o espermatozoide possui em chegar até o óvulo. Isso porque para percorrer este caminho ele precisa manter uma motilidade ativa e linear. Ela é classificada em:

Motilidade Progressiva: se movem ativamente de maneira linear ou em grande círculo, independente da velocidade. Uma amostra viável apresenta valores de motilidade progressiva superiores a 32%. Valores inferiores representam uma condição denominada astenozoospermia.

Motilidade não progressiva: englobam todos os padrões de movimentação que não tenham a característica progressiva.

Imóveis: sem movimento.

Vitalidade: A vitalidade é a avaliação da integridade das membranas dos espermatozoides na amostra. Ela é especialmente importante em amostras com motilidade inferior a 40%. A porcentagem ideal de espermatozoides vivos em uma amostra deve ser superior a 58%. É importante mensurar se os espermatozoides imóveis estão vivos ou mortos. A presença de uma grande proporção de espermatozoides vivos e imóveis, pode ser indicativo de defeitos estruturais no flagelo, enquanto uma alta porcentagem de espermatozoides imóveis e mortos pode indicar patologias no epidídimo.

Número de espermatozoides por ejaculado: É obtido a partir da concentração de espermatozoides, que é um cálculo da quantidade encontrada pelo volume da amostra. O ideal é que este número seja superior a 15 milhões de espermatozoides por mL. Valores menores são denominados de ologozoospermia e é indicativo de alterações hormonais ou genéticas. Ausência total de espermatozoides caracteriza um quadro de azoospermia, clinicamente importante principalmente para pacientes vasectomizados, que buscam avaliar o sucesso da cirurgia.

Contagem de células não espermáticas: A presença de células no sêmen fornece um importante indicativo de problemas secundários a fecundação, porém de grande importância clínica. Por exemplo, a presença de células germinativas imaturas é um indicativo de lesões nos testículos. O número aumentado de leucócitos é característico de processos inflamatórios nas glândulas acessórias.

Morfologia: Os espermatozoides apresentam uma forma padrão. Anomalias levam a uma diminuição no potencial de fertilização. As alterações podem se observadas na cabeça, pescoço e cauda. Estas alterações morfológicas estão relacionados com defeitos na formação do espermatozoide e algumas patologias no epidídimo.

A coleta do material tem extrema importância na qualidade do resultado

Vale lembrar que o espermograma é influenciado por alguns fatores que não estão relacionados com a qualidade do sêmen, mas levam a um resultado FALSO-NEGATIVO, ou seja, um diagnóstico com valores abaixo do esperado, causado por fatores que não representam a real condição do paciente. Para que isso não ocorra, é crucial que seja respeitado o tempo de abstinência recomendado, que as fontes de stress durante a realização da coleta sejam mínimas, que o paciente evite o consumo de álcool, cafeína e prática de exercícios físicos extenuantes no dia anterior a realização do exame.

Em casos de resultados alterados, deve-se fazer um novo exame, sendo necessário a avaliação de duas a três amostras, com intervalos mínimos de 15 dias. Assim é possível identificar se os resultados são relacionados ao paciente ou interferentes externos. Alem disto, devem ser realizados exames complementares, a pedido médico, para identificar quais são as causas específicas da alteração espermática.

Sempre lembrando da importância de fazer seus exames em um laboratório de confiança. Só assim, você garantirá uma informação real sobre sua fertilidade, e sobre sua saúde.

Espero que este assunto: como funciona o espermograma tenha contribuído com suas dúvidas. Qualquer outra dúvida ou curiosidade deixe um comentário.

Referências

Manual de Urologia / editores Archimedes Nardozza Júnior, Rodolfo Borges dos Reis, Rodrigo Sousa Madeira Campos; [coordenadora editorial Sonnini Ruiz]. — São Paulo: PlanMark, 2010.

Organização Mundial da Saúde. Laboratory manual for the examination of human semen and sperm-cervical mucus interaction. 4ª ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

ROCHA, F. T. A., CARVALHO, P. P. N. G. Características gerais dos espermatozoides em homens com varicocele clínica. Rev. Assoc. Med. Bras. 43(1) – Março, 97.

Post Relacionados

Deixar comentário.

Share This