Desenvolvimento Pessoal Saúde

Neuropatia Diabética: Sintomas, diagnósticos e tratamento.

O diabetes é a causa mais comum da neuropatia periférica e este tópico merece sua atenção também porque a neuropatia é a complicação crônica mais comum e mais incapacitante do diabetes. Ela é responsável por cerca de dois terços das amputações não-traumáticas (que não são causadas por acidentes e fatores externos). Essa complicação pode ser silenciosa e avançar lentamente, confundindo-se com outras doenças. Portanto, embora ela queira esconder-se de você, é importante conhecer melhor a neuropatia diabética e se prevenir, para ter uma vida longa e plena.

Os nervos periféricos carregam as informações que saem do cérebro e as que chegam até ele, além de sinais da medula espinhal para o resto do corpo. Os danos a esses nervos, condição chamada de neuropatia periférica, faz com que este mecanismo não funcione bem. A neuropatia pode afetar um único nervo, um grupo de nervos ou nervos do corpo inteiro.

Se você sofre deste mal fique atento pois algumas de suas duvidas podem ser resolvidas aqui.

Sintomas do Diabetes

Os sintomas mais frequentes são as dores com sensação de queimor e formigamento em ambos os pés e ocasionalmente também nas mãos.

Sintomas neurovegetativos também podem estar presentes, como hipotensão postural (queda repentina na pressão arterial ao levantar), tonturas, impotência sexual, disfunção de transpiração e até mal funcionamento da mobilidade do estomago (gastroparesia) ocasionando sensação prolongada de repleção abdominal.

O que causa?

O controle inadequado da glicose, nível elevado de triglicerídeos, excesso de peso, tabagismo, pressão alta, o tempo de convivência com o diabetes e a presença de retinopatia e doença renal são fatores que favorecem a progressão da neuropatia. Tanto as alterações nos vasos sanguíneos quanto as alterações no metabolismo podem causar danos aos nervos periféricos.

A glicemia alta reduz a capacidade de eliminar radicais livres e compromete o metabolismo de varias células, principalmente neurônios.

Ao mesmo tempo, em uma segunda etapa dessa complicação, pode haver redução da sensibilidade protetora, como falamos na seção “pés e membros inferiores”. As dores, que antes eram intensas demais mesmo com pouco estímulo, passam a ser menores do que deveriam. Dai o risco de haver uma queimadura e você não perceber a tempo.

É comum também que o suor diminua e a pele fiquei mais seca. A neuropatia costuma vir acompanhada da diminuição da energia, da mobilidade, da satisfação com a vida e do envolvimento com as atividades sociais.

Como prevenir?

Algumas maneiras de prevenir e gerenciar a neuropatia diabética acontece através dos cuidados com os pés, controle eficiente da glicose e uso de medicamentos.

Entretanto, o controle rigoroso dos níveis de glicemia diminui a progressão da doença, mas em geral não faz regredir os sintomas da neuropatia diabética. Por isso, é necessário o diagnóstico precoce durante consultas de acompanhamento rotineiro ou com especialistas no tratamento da dor neuropática.

Então, gostou? Se você gostou dessa postagem não deixe de ver também outras de nossas postagens no nosso blog. Estamos sempre postando novidades, fique atento!

 

Fonte:

Sociedade Brasileira de Diabetes

Hospital Sírio Libanês

Post Relacionados

Deixar comentário.

Share This