Provavelmente você conhece alguém ou você mesma já passou por esta situação: é segunda-feira cedinho e após aquele banho quente você decidiu subir na balança, aquela que fica no cantinho do seu banheiro. Ao ver o ponteiro subir, você entra em desespero e começa a pesquisar as maneiras mais rápidas e radicais para perder essas gordurinhas inconvenientes, esquecendo-se de que o emagrecimento rápido e sem orientação pode trazer mais malefícios do que benefícios para a saúde.

Depois de alguns dias de restrição drástica de calorias, você se rende àquela coxinha de frango com catupiry gigante e dois brigadeiros e acaba comendo compulsivamente, tanto para aliviar a culpa pela “fraqueza” de não ter resistido ao lanche, quanto por uma própria resposta do organismo, que estava ávido por qualquer tipo de nutriente.

O resultado disso é a recuperação dobrada dos quilos perdidos, o que dá inicio a um novo ciclo de busca desenfreada pelo emagrecimento a todo custo. Se essa história que acabei de lhe contar soa um pouquinho familiar então fique atenta à este post sobre alguns mitos sobre emagrecimento rápido. Boa leitura!

Restrição que gera compulsão

Toda e qualquer restrição alimentar drástica, seja de calorias, seja de grupos alimentares, levará a um comportamento compulsivo, o que significa que, após algumas semanas de dieta maluca, a maioria das pessoas inevitavelmente, não conseguirá se segurar ao pegar uma barra de chocolate, por exemplo, e a comerá inteira.

O que acontece é que, da mesma forma que precisamos de oxigênio para sobreviver, nosso corpo precisa de nutrientes e calorias para continuar funcionando, ou seja, ele precisa de energia e quando cortamos ou limitamos essa fonte de energia, ele reage de maneira defensiva, fazendo com que o cérebro comece a pensar obsessivamente em comida (geralmente as mais calóricas, por serem a maneira mais eficaz e rápida de repor o estoque de energia).

Esse comportamento é o que explica você abrir um pacote de bolacha com a intenção de pegar só uma, mas acaba comendo o pacote todo compulsivamente. Explica também como é difícil resistir à um sorvete ou um doce após uma refeição.

Muita gente pensa que isso é tudo falta de força de vontade ou foco, mas a verdade é que o nosso corpo foi programado biologicamente e quimicamente para procurar sempre o equilíbrio, e na falta e nutrientes e calorias ele tentará de todas as formas, fazer você comer. Mesmo que sejam alimentos não tão saudáveis como ele gostaria.

Este é um dos motivos pelos quais o resultado da conta é sempre o mesmo: dieta restritiva + emagrecimento rápido = compulsão e ganho de peso. Não há como fugir disso, infelizmente.

OUTROS RISCOS DO EMAGRECIMENTO RÁPIDO

Existem outros malefícios causados pela adoção de dietas radicais com foco no emagrecimento rápido além da compulsão por comida?

Perda de massa magra

Em uma dieta restritiva e mal equilibrada não ingerimos os nutrientes necessários e uma das primeiras reações do nosso corpo é usar os músculos como fonte de energia, podendo causar flacidez, falta de mobilidade, fragilidade óssea e ainda reduzir a taxa metabólica no repouso, aumentando o risco de diabetes tipo 2 e piorando os níveis de colesterol.

Além disso, perder massa magra também pode ser sinônimo de redução dos líquidos corporais, causando desidratação e problemas renais.

Para ficar mais claro, massa magra é tudo o que não é gordura no corpo. São os órgãos, músculos, ossos, líquidos corporais, tendões e ligamentos.

Enfraquecimento de cabelos e unhas

A conta é bem simples, para crescer fortes e saudáveis, os cabelo e unhas precisam de energia e de suprimento adequado de nutrientes, como zinco, selênio, cobre, além de vitaminas e dos aminoácidos. Se o corpo é privado de calorias automaticamente ele dará preferencia para as chamadas “funções vitais”, que são essenciais à nossa sobrevivência. Desse modo, unhas e cabelos são “secundários” e consequentemente, haverá enfraquecimento dessas estruturas.

Alterações de humor

A falta de saciedade e a baixa ingestão de alguns grupos alimentares, como os carboidratos, podem afetar a produção de alguns hormônios, como a serotonina, que é o hormônio responsável pelas sensações de bem-estar e prazer.

Do ponto de vista psicológico, comer representa um momento de satisfação imediata. Quando a vida está chata, com poucas compensações, ingerir alimentos, especialmente calóricos, alegra a vida instantaneamente. Em uma situação de restrição calórica o indivíduo se encontrará em uma situação de duelo constante consigo mesmo, provocando muitas vezes o mal humor, ansiedade e estresse.

MANEIRAS ADEQUADAS PARA PERDER PESO COM SAÚDE

O ideal é sempre procurar um profissional da área, seja um médico nutrólogo, seja um nutricionista, para que ele possa montar uma dieta personalizada que levará em consideração seu estilo de vida, altura, gênero e biótipo. No entanto, existem algumas dicas gerais que podemos compartilhar:

  • Faça atividades físicas. Por incrível que pareça, tem muita gente que ainda duvida do poder dos exercícios sobre emagrecimento;
  • Procure consumir alimentos ricos em ômega 3 com frequência (atum, sardinha, salmão, castanhas, linhaça, etc)
  • Use termogênicos naturais que aceleram o metabolismo, como chá verde, pimenta, canela, café e gengibre;
  • Diminua o sal e o açúcar das suas refeições, eles acarretam retenção de líquido e acumulo de gordura, respectivamente;
  • Aquela famosa frase “quanto mais colorido for o prato, melhor” é verdadeira, monte refeições contemplado diferentes grupos alimentares;
  • Beba muita água, de 2 a 3 litros por dia;
  • Fique longe de produtos industrializados, principalmente os que contenham gordura trans.

Quando for decidir por uma dieta maluca lembre-se daquela frase: tudo que vem fácil, também vai fácil! Com o emagrecimento é o contrário. Emagrecer é um processo e alguns parâmetros naturais do nosso organismos, tanto mentais como biológicos, precisam ser respeitados. Fique atento às dietas malucas, elas não funcionam!

Post Relacionados

Deixar comentário.

Share This