Que você já sabia que, quando está estressada, a probabilidade de que você coma mais açúcar e “junk food” é muito maior, disso eu tenho certeza. Agora, você sabia que o estresse pode lhe causar também algumas síndromes metabólicas? Se você não sabe ainda, então este artigo é para você.

Afinal, o que vem a ser uma Síndrome Metabólica?

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a Síndrome Metabólica se trata de um conjunto de fatores de risco cardiovasculares e diabetes, dos quais a pessoa precisa apresentar pelo menos duas condições. Estes fatores incluem:

  • Pressão arterial ≥ 160/90 mmHg
  • Triglicerídeos ≥ 150 mg/dl e/ou nível de HDL < 35 mg/dl para homens e < 39 mg/dl para mulheres
  • Obesidade central (índice cintura/quadril > 0,90 para homens e > 0,85 para mulheres) ou índice de massa corporal (IMC) > 30 kg/m2
  • Microalbuminúria (taxa de excreção urinária de albumina ≥ 20 mcg/min ou índice albumina/creatinina ≥ 20 mg/g)
  • Alteração da regulação da glicose (tolerância alterada à glicose ou à glicemia de jejum alterada), diabetes e/ou resistência à insulina.

Exames diagnósticos para as Síndromes Metabólicas

  • Glicemia: A dosagem da glicemia em jejum é o principal exame utilizado para o diagnóstico de diabetes. A amostra deve ser coletada pela manhã, após jejum de pelo menos 8 horas, não ultrapassando 14 horas. 
  • Hemoglobina Glicada: É um importante marcador de diabetes e pré-diabetes. Fornece uma média dos níveis de glicemia dos últimos 3 meses. Não é necessário jejum par sua realização.
  • Insulina: A glicose é metabolizada no nosso organismo através da insulina. O aumento da insulina pode ser provocado pela obesidade, sobrepeso, sedentarismo e consumo elevado de carboidratos refinados (farinha branca), que provocam aumento da glicose no sangue e consequentemente uma produção aumentada de insulina pelas células pancreáticas.
  • Microalbuminúria: Detecta pequenas quantidades de proteínas na urina. Importante no diagnóstico e evolução da nefropatia diabética por indicar lesão potencialmente reversível.
  • Perfil lipídico: Dosa o colesterol total e suas frações (HDL, LDL e VLDL) e os Triglicerídeos.

Quais as diferenças entre os colesteróis?

  • HDL é o colesterol bom, e deve se manter alto na corrente sanguínea. Para aumenta-lo, é necessário aderir a prática de atividades físicas e uma boa alimentação com gorduras boas e fibras encontradas em peixes, azeite, vegetais e sementes.
  • LDL é considerado o colesterol ruim.  Seu aumento é um fator de risco para doenças cardiovasculares (angina, infarto, AVC). Para mantê-lo em níveis normais é importante adotar hábitos saudáveis, evitando-se o tabagismo, praticando exercícios físicos e tendo uma alimentação pobre em gorduras e açúcares.
  • VLDL é um colesterol ruim pois seus valores elevados no sangue levam ao acúmulo de gordura nas artérias e formação de placas de aterosclerose. Sua elevação é devido ao excesso de gordura e carboidratos na alimentação, além do excesso de peso e a falta de atividade física.
  • Triglicerídeos:São fontes de reserva de energia do nosso corpo. Quando não são usados, começam a ser armazenados no tecido adiposo na forma de gordura. Em altas quantidades, estão relacionados a um maior risco cardiovascular, obesidade, esteatose hepática (gordura no fígado) e pancreatite.

Há alguma relação entre o estresse e as síndromes metabólicas?

A Síndrome Metabólica é considerada um fator para a instalação de complicações psicológicas. Diversos estudos têm demonstrado a associação entre depressão, ansiedade e as síndromes metabólicas. O estresse é uma reação normal do nosso organismo com componentes psicológicos, físicos, mentais e hormonais, necessárias para manter a nossa sobrevivência. Quando o estresse é persistente, ele conduz a alterações na produção do hormônio cortisol, provocando um maior risco de desenvolvimento de uma síndrome metabólica.

O estresse pode causar ganho de peso?

O estresse tem diferentes efeitos no corpo e, entre eles, está o ganho de peso. Isso acontece por diferentes mecanismos:

  • Aumento na ingestão de alimentos ricos em carboidratos e álcool
  • Falta de sono
  • Interrupção dos exercícios físicos

Como é realizado o tratamento das síndromes metabólicas?

O tratamento da síndrome metabólica exige uma mudança no estilo de vida, como alteração dos hábitos alimentares adoção da prática regular de exercício físico, além do cuidado com o uso de tabaco e álcool e a redução do estresse. Uma equipe interdisciplinar que inclua a psicologia é muito importante, trabalhando a motivação pessoal, força de vontade, autoestima e as crenças que podem contribuir para a manutenção dos hábitos saudáveis.

Referências

OLIVEIRA, L. V. A., et. al. Prevalência da Síndrome Metabólica e seus componentes na população adulta brasileira. Ciênc. Saúde coletiva 25 (11). Nov 2020.

RIBEIRO, R. P., et al. Prevalência da Síndrome Metabólica entre trabalhadores de Enfermagem e associação com estresse ocupacional, ansiedade e depressão. Rev. Latino-Am. Enfermagem. Maio-Jun. 2015;23(3):435-40 DOI: 10.1590/0104-1169.0383.2573

TEIXEIRA, P. J. R., ROCHA, F. L. Epidemiologic studies about association of mental disorders and metabolic syndrome. Rev. Psiq. Clín. 34 (1); 28-38, 2007.

Post Relacionados

Deixar comentário.

Share This