Laboratório

Como funciona o nosso sistema de defesa contra as doenças autoimunes?

Você deve estar acostumado a pensar que o nosso sistema imunológico serve para defender o nosso organismo de agentes invasores, certo? Mas o que acontece quando a nossa linha de defesa começa a atacar os nossos próprios guerreiros? Esta seja talvez a definição mais clara do que são as DOENÇAS AUTOIMUNES. Por algum motivo o nosso corpo começa a confundir as próprias proteínas com agentes invasores, passando a ataca-las.  Essa “revolta” do sistema imunológico tem algumas explicações técnicas: defeito no sistema imune (defeitos em células natural killer, em células T supressoras, na secreção de interleucinas, no processo de fagocitose ou nos componentes do sistema complementar), também, na ação de hormônios estrogénios, em condições ambientais, medicamentos e agentes tóxicos.

PARA QUEM NÃO SABE O QUE SISTEMA IMUNE REPRESENTA aqui vai uma breve explicação.

O nosso organismo possui um complexo sistema de defesa contra invasões de agentes externos, sejam estas bactérias, vírus, fungos, parasitas, proteínas, ou qualquer outro ser ou substância que não seja natural do corpo. O processo evolutivo criou um mecanismo de defesa capaz de reconhecer praticamente qualquer invasão ou agressão ao nosso corpo. A complexidade do sistema está exatamente em conseguir distinguir entre: a) o que é danoso ao nosso organismo; b) identificar o que faz parte do nosso próprio corpo, como células, tecidos e órgãos; c) por fim, ao que não é naturalmente nosso, mas também não causa danos, por exemplo, alimentos que consumimos.

O RACIOCINIO POR TRÁS DESTE SISTEMA É BEM SIMPLES, toda vez que o sistema imunológico se depara com alguma substancia estranha, que ele interpreta como potencialmente danosa, ele passa a produzir células de defesa e anticorpos para combate-la. Toda substância estranha capaz de desencadear uma resposta imunológica é chamada de antígeno.

Durante a nossa formação enquanto feto, nosso organismo começa a criar o sistema imunológico. O primeiro trabalho é reconhecer tudo o que é próprio, para mais tarde reconhecer o que é estranho. O útero materno é um ambiente estéril, ou seja, livre de agentes infecciosos.

Assim que nascemos somos imediatamente expostos a um “mundo hostil” com uma enormidade de antígenos. Desde o parto, o corpo começa a reconhecer, catalogar e atacar tudo que não é “original de fábrica”. Esse contato com antígenos nos primeiros anos de vida é importante para a formação de uma biblioteca de anticorpos.

O corpo consegue montar uma resposta imune muito mais rápida se já houver dados sobre o invasor. Se o antígeno for completamente novo, é necessário algum tempo até que o organismo descubra quais os anticorpos são mais indicados para combater aquela partícula.

 Essa é a lógica por trás das vacinas. Expomos o paciente a um antígeno, seja ele um vírus ou bactéria, mortos ou enfraquecidos, de forma a estimular o sistema imunológico a criar anticorpos contra esses germes. Quando a bactéria de verdade nos invadir, já temos pronto um arsenal imunológico para eliminá-la rapidamente, antes que a mesma consiga provocar qualquer doença.

AFINAL DE CONTAS, O QUE É UMA DOENÇA AUTOIMUNE?

A doença autoimune ocorre quando o sistema de defesa perde a capacidade de reconhecer o que é “original de fábrica”, levando à produção de anticorpos contra células, tecidos ou órgãos do próprio corpo.

Por exemplo: no diabetes tipo 1 ocorre uma produção inapropriada de anticorpos contra as células do pâncreas que produzem insulina, levando a sua destruição e o aparecimento do diabetes.

Na esclerose múltipla, o sistema imunológico começa a produzir anticorpos contra componentes dos neurônios, causando destruição dos mesmos e graves problemas neurológicos.

Nos casos de tireoide de Hashimoto, o corpo passa a produzir anticorpos contra a nossa própria glândula tireoide, destruindo-a, levando o paciente a desenvolver hipotireoidismo.

A gravidade de uma doença autoimune depende dos órgãos afetados. Por exemplo, a doença de Hashimoto é uma doença praticamente restrita à glândula tireoide, que é um órgão importante, mas não é vital. Os pacientes com essa doença autoimune conseguem levar uma vida normal através do uso de medicamentos.

Outras doenças autoimunes, porém, são mais graves, principalmente aquelas que atacam órgãos e estruturas nobre do corpo, como o sistema nervoso central, coração, pulmões e vasos sanguíneos.

POIS BEM, agora que você já sabe como o sistema imune funciona, vamos entender quais são as principais doenças imunológicas? Não perca o próximo artigo!

Post Relacionados

Deixar comentário.

Share This