Se você é uma mulher adulta, provavelmente você já sentiu algumas vezes em sua vida o impacto de alguns hormônios no seu organismo. Agora, é importante lembrar que não só a presença, mas a ausência gera efeitos no corpo da mulher. Você já parou para pensar o que as deficiências hormonais pode ocasionar no seu organismo?

As mulheres passam por uma série de modificações ao longo da vida. Dois períodos se destacam em importância, o ciclo reprodutivo e o não reprodutivo. O ciclo reprodutivo se inicia com a primeira menstruação na puberdade, e se finda na menopausa, dando início ao ciclo não reprodutivo. Para estes ciclos hormonais acontecerem, entram em ação os hormônios femininos liberados pelos ovários, sendo o estrogênio e a progesterona muito importantes. Eles determinam as características emocionais, comportamentais e sexuais típicas da mulher.

Agora que você lembrou que eles existem, vamos entender um pouco sobre essas fases e a importância dos hormônios em todo este contexto. Fique atenta!

Menarca: Início do Ciclo Reprodutivo

A menarca é a primeira menstruação. Os hormônios estrogênio e progesterona estão atuantes no inicio do ciclo reprodutivo, dando início ao período fértil e o ciclo hormonal. Estes hormônios causam algumas mudanças na mulher, como a vivacidade, o rubor na face, a estimulação dos encontros e a possibilidade de engravidar.

Outra mudança que esta fase trás a mulher é a tão conhecida tensão pré-menstrual (TPM). A TPM provoca alterações físicas, psíquicas e sociais. Os sintomas mais frequentes são ansiedade, instabilidade emocional, tristeza, agressividade, crises de choro, “desejos” por alimentos ricos em carboidratos ou salgados, dores, inchaço e mal-estar. Tudo isso ocorre devido fatores que podem ser hormonais, nutricionais (déficit relativo de vitamina B6, piridoxina, vitamina A, magnésio), psicossociais (estresse e relacionamento social) e distúrbios afetivos.

Combater o estresse e manter hábitos saudáveis contribui para diminuir os efeitos da TPM. É fundamental que a mulher mantenha uma alimentação equilibrada, sendo muito recomendado o consumo de frutas, verduras, proteínas, carboidratos integrais, muita água e chás diuréticos. É importante também evitar o consumo de alimentos processados, calóricos e com baixa composição nutricional, como por exemplo refrigerantes, café, açúcar, comida condimentada, gordurosa e sal. Além da alimentação, a prática de atividade física regular é muito importante para prevenir os sintomas de TPM. Deve-se evitar hábitos prejudiciais, como o tabagismo.

Climatério: Transição entre Período Reprodutivo e Não reprodutivo

A fase de transição entre o período reprodutivo e não reprodutivo chama-se climatério. Nela ocorre o esgotamento dos folículos ovarianos e a deficiência de estrogênio. Ela evidencia os sinais da menopausa, tendo início a partir da última menstruação, sendo o marco do fim do período reprodutivo. A menopausa estabelece um novo ciclo em que se manifestam condições fisiológicas importantes. Pode desencadear sinais e sintomas que necessitam de controle e avaliação, visando garantir a qualidade de vida no processo de envelhecimento feminino.

As deficiências hormonais na menopausa podem gerar uma série de alterações, dentre elas:

  • Alterações cardiovasculares: Os sintomas vasomotores mais relatados são ondas de calor (calorões ou fogachos), sudorese, palpitações, bem como, episódios de angústia e ansiedade. Esses sintomas estão relacionados às disfunções neuroendócrinas. Alterações no perfil lipídico, que podem desencadear complicações cardíacas e no sistema vascular, causado pela diminuição na produção estrogênica no período do climatério e na diminuição drástica do estrogênio na menopausa.
  • Alterações no metabolismo ósseo: o estrogênio mantém a integridade da massa óssea. Na sua deficiência ocorrem alterações no metabolismo ósseo, sendo um fator determinante para a osteoporose.
  • Alterações no sistema nervoso central: a queda do estrogênio reflete nas áreas da cognição, já que grande parte do cérebro possui receptores estrogênicos, sofrendo influência direta deste hormônio. Com isso ocorrem alterações da cognição, do humor, da memória e da qualidade do sono, interferindo diretamente na qualidade de vida da mulher.
  • Alterações urogenitais e comportamentais: a incontinência urinária está presente em grande parte nas mulheres. A depressão pode ocorrer devido as alterações fisiológicas presentes na menopausa, causada por sentimentos relacionada à autoestima. Mulheres com ansiedade e insônia possuem um risco ainda maior de progredirem á quadros depressivos.

Revertendo os Efeitos da Deficiência Hormonal

Estudos demonstram que a terapia de reposição hormonal proporciona uma melhor qualidade de vida para mulheres com deficiência hormonal. Sua função é amenizar os efeitos maléficos da carência hormonal e sua prescrição deve ser individualizada, adequada às necessidades individuais e preferencialmente de curto prazo de duração.

Em contrapartida, a terapia de reposição hormonal está associada a um maior risco de trombose, câncer de mama e endométrio. Seu maior benefício está associado a sintomas vaso motores e urogenitais, devendo ser iniciada entre os 50 a 59 anos ou com menos de 10 anos de menopausa. Nesse período, os benefícios superam, na maioria das vezes, os riscos.

E ai, gostou?

Conte pra gente então…:-)

Referências

MURAMATSU, C. H., et. al. Consequências da síndrome de tensão pré-mentrual na vida da mulher. Rev Esc Enferm USP 2001; 35(3):205-13.

PARDINI, D. Terapia de reposição hormonal na menopausa. Arq Bras Endocrinol Metab. 2014:58/2.

SELBAC, et al. Mudanças comportamentais e fisiológicas determinadas pelo ciclo biológico feminino – climatério à menopausa. Aletheia v.51, n.1-2, jan./dez. 2018.

Post Relacionados

Deixar comentário.

Share This